Avisos Paroquiais
Receba nosso informativo diretamente em seu e-mail.
Igreja precisa ser respeitada em sua posição, diz Dom Antônio

12/05/2011
Na coletiva desta quarta-feira, 11, o Bispo Auxiliar do Rio de Janeiro, Dom Antônio Augusto - que ajudou na formulação da nota da CNBB sobre o julgamento da união homoafetiva no STF - comentou acerca do parecer oficial dos bispos.

Dom Antônio afirmou que o teor da nota não se trata de discriminação, pois do mesmo jeito que as pessoas homossexuais pedem respeito pela suas convicções, a Igreja também quer ser respeitada na sua posição de que o casamento é definido como uma união entre o homem e a mulher. 

"Cada instituição tem os seus direitos e procedimentos próprios. Não há como considerar discriminação [por parte da Igreja], destacou ao recordar que a Igreja já se pronunciou sobre o tema através de documentos da Santa Sé, como a "Carta aos Bispos da Igreja Católica sobre o atendimento pastoral das pessoas homossexuais", de 1986.   

Semana Social vai ser sobre reforma política

Em sua colocação, o Bispo de Franca (SP), Dom Pedro Luiz Stringhni, anunciou que a realização da 5ª Semana Social Brasileira foi aprovada por unanimidade e vai tratar sobre reforma política, com o tema do Documento 91 da CNBB: "Por uma Reforma do Estado com participação Democrática"

"Há muito o que fazer para que haja distribuição de renda e igualdade social e política”, disse Dom Stringhini ao explicar sobre a necessidade da abordagem do tema.

A data do evento ainda não foi definida por motivo de escolha da nova presidência da Comissão da CNBB, que está em processo nesta 49ª Assembleia. 

De acordo com Dom Pedro, o evento abordará ainda assuntos como mudanças climáticas, violência urbana e pretende colocar em diálogo as pastorais sociais da Igreja, os movimentos sociais e as instãncias governamentais.

A Primeira Semana Social aconteceu em 1991, com o tema do trabalho. A segunda foi em 1992 e tratou de política. Já a terceira, em 2000, abordou assuntos de economia. E em 2004 aconteceu a última, com o tema "Mutirão por um novo Brasil". 

O trabalho escravo no Brasil

O Bispo de Balsas (MA), Dom Enemésio Ângelo Lazzaris, falou sobre a situação do trabalho escravo no país. Durante a coletiva, Dom Enemésio, que é vice-presidente da Comissão Pastoral da Terra (CPT), apresentou o trabalho da CPT e a preocupação da Igreja com a temática.  

"O trabalho escravo é causado pela ganância, desejo incontrolável de dinheiro a qualquer custo. Desejo de poder, de concentração de terras", afirmou o Bispo de Balsas ao esclarecer as principais motivações para a existência desta forma de trabalho. 

O bispo recordou ainda que, no dia 28 de janeiro de 2009, o Governo federal criou o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo. De acordo com Dom Enemésio, a CPT está pressionando os parlamentares para que seja aprovada a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 438, criada em 2001, que visa confiscar as terras onde forem encontradas condições análogas de escravidão.

Voltar

 
| Política de privacidade © 2009 - 2017 Paróquia São João Bosco. Todos os direitos reservados.